04 março 2010

Pecado Não É Múltipla Escolha!

 















Por Jorge Fernandes Isah

Não tenho por hábito transcrever diálogos pessoais, mas recebi o pedido de ajuda de um irmão. Orei, e respondi-lhe. Alguns dias depois, escreveu-me aflito por cair novamente no pecado. Eis suas palavras:

“Preciso de uma mudança, eu não quero servir Jesus desse jeito, com pecado; eu lembro da passagem que fala de Acã e seu pecado escondido fez o arraial de Deus regredir. Eu faço a obra de Deus, prego, evangelizo, mas peco. Por favor, me ajude eu preciso restaurar o temor que eu tinha no meu primeiro amor, o medo de pecar é algo que eu já perdi, mas quero recuperar isso”.

A minha segunda resposta:

É difícil ajudá-lo a distância, sem conhecê-lo. Mas se esta é a vontade de Deus, que assim seja.

O ideal é que você tivesse um irmão maduro na fé, alguém que pudesse auxiliá-lo, como lhe disse, alguém com o qual convivesse, que estivesse próximo. Preferencialmente, procurando o auxílio do seu pastor. Sei como são essas coisas de timidez, pois também sou tímido, e não gosto de me expor. Mas você tem de entender que, no caso da Igreja, como membro do Corpo, faz o Corpo sofrer, ainda que os irmãos não saibam. Pois Cristo, como a cabeça, sabe. Paulo descreveu a situação assim: “de maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele" [1Co 12.26].

Depois que lhe escrevi, tenho orado por sua vida e pedido a Deus que o liberte desse vício e pecado, e meditado na sua situação. Como contei, fui viciado em pornografia e sexo por muitos anos, até a minha conversão, e sei como esses pecados nos controlam e dominam. No início, quando da conversão, há uma parada abrupta em nosso comportamento pecaminoso, é como se não houvesse nenhum desejo e vontade em pecar. Acontece que a nova natureza em Cristo faz com que a natureza carnal fique adormecida. Nessa fase, somos apenas de Cristo, queremos ir aos cultos, fazer evangelismo, ler a Bíblia, orar e falar de Jesus para todas as pessoas de uma forma inimaginável, quase compulsiva.

Então progressivamente perdemos esse "furor" inicial, e acontece da nossa antiga natureza ressurgir pouco a pouco. Começamos a ouvir músicas seculares, a ver tv, cinema, e tantas outras atividades tal qual antigamente. Voltamos aos antigos amigos, e consideramos que somos fortes o suficiente para enfrentar o mundo. Paulo foi claro ao nos alertar: Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia” [1Co 10.12]. Logo, começamos a olhar para as mulheres com um olhar diferente, quase como no passado, e sentimos desejos de ver o que é proibido, e de atentar para o proibido. O pecado nos atrai novamente, e somos atraídos por ele. Então, meu irmão, só há duas opções:

1) Nos rendemos ao pecado, e pecamos, ainda que depois venha o arrependimento.

2) Resistimos ao pecado, mesmo sabendo que Deus é misericordioso para nos perdoar.

O problema não é o pecado em si, ele é conseqüência do nosso relacionamento com Deus, ou da falta dele. Naquele momento, Deus é menor do que o desejo de pecar. Naquele momento, o pecado [seja qual for] é o meu deus. A questão é: amo o Senhor verdadeiramente a ponto de considerar não pecar, e não pecar quando tentado? Ou o meu amor é insuficiente para resistir ao pecado? [lembrando-me do novo-nascimento, a velha natureza estava soterrada, inativa, pela nova natureza. O que precisamos fazer é soterrar novamente a antiga natureza, e com ela, as práticas pecaminosas].

O mais importante é não gastar tempo ouvindo a própria voz. Ela lhe trará uma gama de ilusórias desculpas, que podem trazer alívio momentâneo, mas jamais o curará. De uma forma ainda pior, poderá cauterizá-lo e colocá-lo em uma posição de acomodação ao pecado. Ouça a voz de Deus, o qual fala pela Escritura Sagrada. Não canse de repetir para si mesmo: pornografia é pecado! E, ao crente, somente há uma forma de se relacionar com o pecado: rejeitando-o, derrotando-o, impedindo-o de se levantar da sarjeta, do monturo.

Não se engane com as mentiras que diz e já tem preparado para a ocasião, elas somente o manterão escravizado. Antes não rejeite a verdade, e se lance humildemente aos pés do Senhor. Diante dEle não há como nos exaltarmos e pecarmos [a tentativa soberba do homem em se sobrepor a Deus, de se exaltar acima dEle, como se isso fosse possível]. Diante dEle estaremos sempre humilhados, submissos, e em posição de não-pecado, não-autoglorificação, de não-rebeldia, mas de submissão, negação a si mesmo, de reconhecimento da nudez, pobreza, cegueira e iniqüidade humanas; e necessitados da Sua graça e sustento físico-espiritual. Como João o Batista disse: "É necessário que ele cresça e que eu diminua” [Jo 3.30].

Não deixe a mentira tomar conta da sua mente, e dizer que você é o que jamais foi. Leia e medite na verdade, a Bíblia, através da qual Deus nos fala e nos ensina a trilhar os caminhos santos para os quais Cristo nos chamou, capacitando-nos pelo poder do Espírito Santo.

Por que não devo pecar? Por que é uma ordem? Ou por que o meu amor a Deus é tamanho que não transgredirei a Sua ordem? Veja bem, não pecarei não porque estou com medo da punição [se fosse assim, ninguém pecaria], mas não pecarei porque amo ao Senhor de tal forma que o meu amor não me permitirá ceder ao pecado. Se o meu coração estiver cheio, repleto de Deus, não haverá lugar para pecar. Como digo sempre: onde há amor, não há pecado. Onde há pecado, não há amor.

A masturbação, especificamente, não é um pecado instantâneo. Ela não acontece por um impulso incontrolável, por um "repente", como se diz aqui em Minas. Ela é progressiva, um processo. Primeiro você se entrega ao deleite de olhar ou imaginar formas femininas, depois não se contenta apenas em imaginar, mas há a cobiça, o desejo de realizar algo com aquele corpo, por fim, como não é possível fazê-lo, você se rende ao alívio imediato, para não ficar mais pensando e sofrendo por não tê-lo, e por pensar e sofrer com o que pensa. Mesmo sabendo que é pecado, mesmo sabendo que desagrada a Deus, mesmo sabendo que será levado a pecar novamente, a sensação é por demais agradável; mesmo sendo escravizante, ainda assim, é algo incontrolável quando se peca a primeira, a segunda vez, quando não se refreia, peca-se por desordem. Pelo coração não estar acomodado, em conformidade com a santidade. Entra-se em um círculo vicioso... e, somente Deus para nos tirar dele.

Não vejo saída a não ser a oração, a mortificação da carne [o jejum é uma arma poderosa], afastando-se de tudo o que o remete à lascívia, à cobiça, ao prazer ilícito. Exteriormente somos "fisgados", mas o problema está no interior, no coração. Como o Senhor Jesus disse, é dele que procedem todos os males [Mt 15.17-18]. Porém, um coração cheio do amor por Deus será um coração vitorioso na luta contra o pecado.

Pedro diz: "Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e
piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude; pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo. E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude a ciência, e à ciência a temperança, e à temperança a paciência, e à paciência a piedade, e à piedade o amor fraternal, e ao amor fraternal a caridade. Pois aquele em quem não há estas coisas é cego, nada vendo ao longe, havendo-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados. Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo" [2Pe 1.3-11].

Em outras palavras, o apóstolo está dizendo ao crente: você é um eleito de Deus, resgatado da condenação por Cristo, feito co-herdeiro em Cristo, participante da glória e da graça de Deus em Cristo, portanto, viva como um eleito, não como um ímpio!

Pedro está nos exortando a viver segundo o chamado que Deus nos deu. Somos eleitos, então vivamos com tal, e não como o pecador que antes éramos.

No seu caso, posso fazer muito pouco ou nada além de ouvi-lo, de exortá-lo, de orar por você. Está em suas mãos resistir ao pecado e levar uma vida santa diante de Deus.

Novamente, voltemos a Pedro: "Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo" [1Pe 1.13-16].

Pedro reafirma aqui o que disse anteriormente: você é um eleito, viva como tal; não se entregue às práticas dos gentios e incrédulos, que antes fazia. Porque o chamado de Deus para o Seu povo é o chamado à santidade.

Paulo também diz: "E, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça... De maneira que, irmãos, somos devedores, não à carne para viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis. Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus... Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor" [Rm 8.6-39].

Viva no Espírito, no amor do Senhor, e você morrerá todo dia para a carne. Não é fácil, mas não há outro caminho. Arrependa-se, coloque-se nas mãos do Senhor integralmente, viva o Evangelho de Cristo, viva por meio dEle, para Ele, e, certamente, Deus o libertará desse pecado. Na verdade, você já foi libertado pelo sacrifício do Senhor na cruz, assuma então a sua condição de eleito, e viva como um crente, como um servo guiado pelo Senhor, buscando-o, sujeitando-se, humilhando-se, glorificando-o, através do poder do Espírito Santo e da Palavra; pois o único antídoto contra o pecado é a santidade. Desejar mais do que qualquer outra coisa ser como é o nosso Senhor: santo!
 
Ore, ajoelhe, clame a Deus, implore, se humilhe diante dEle, arrependa-se com o que de mais intenso e verdadeiro haja dentro de você, e, certamente, odiará o pecado e amará cada vez mais a Deus.

Continuarei orando por sua vida, para que Cristo o liberte, dando-lhe discernimento e sabedoria para enfrentar essas tentações. Como disse anteriormente, a tentação ainda não é o pecado, mas quando passamos por ela sem resistência, o pecado invariavelmente acontecerá. A tentação é a chance que se tem de não pecar, o último recurso antes do desfecho final: a queda!

Escreva quando quiser e precisar.

PS: Acho que seria bom você pensar, pelo menos por enquanto, em afastar-se das pregações. Continue a evangelizar, a falar de Jesus para as pessoas; a orar, ler as Escrituras, meditar nelas. Buscar literatura de qualidade que o ajude a combater o pecado. Mas não considero, biblicamente, qualquer possibilidade de você se manter em algum ministério, seja a pregação, o louvor, ou qualquer outro, enquanto estiver rendendo-se ao pecado. Não seria correto para com Deus nem a igreja. Você disse que se converteu este ano, portanto, muito pouco tempo para assumir certas funções no Corpo local. Como Paulo diz, o neófito [novo na fé] não deve assumir liderança, "para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo" [1Tm 3.6]. Talvez o seu problema esteja aí. Mas é algo que apenas você poderá responder, então, pergunte a si mesmo sinceramente: por que estou no ministério? O que me motiva a exercê-lo?
Quem sabe, Deus já não esteja dando a resposta?

13 comentários:

  1. Jorge, irmão,

    Vejo que há um grande problema a ser resolvido e você está certo, o remédio é voltar a mente para Cristo. O pior nesses casos é achar que é possível "resolver por si mesmo". Não é. No máximo se buscarão desculpas e mais desculpas, como você enfatiza em seu texto.

    Eu já estive nos dois lados, experimentei a graça na adolescência e o pecado na juventude e grande parte da vida. E posso garantir que o pecado só traz sofrimentos. Há apenas pequenos momentos de ilusória felicidade, posto que a felicidade verdadeira está em Cristo Jesus.

    Eu diria também ao irmão (referido pelo texto) que ele deverá colocar-se em submissão verdadeira a Deus; entregando-se à sua vontade e ao senhorio de Cristo. Não há pecado ou vício que resista. De outra forma, não conseguirá.

    E há que se pensar que o pecado reiterado não agrada a Deus, antes, o que O agrada é a prática das virtudes que Ele nos Deixou no Evangelho.

    Jorge, eu já estava com saudades dos seus textos. Este é ainda melhor do que os demais, pois trata de uma situação real que traz ensinamentos a todos nós.

    Peço a Deus que o irmão se livre dessa terrível escravidão, colocando cativos a Cristo corpo, mente e espírito. E eis que Ele o livrará.

    Grande abraço!

    NaquEle que nos salvou!

    Ricardo

    ResponderExcluir
  2. Prezado irmão Jorge,
    realmente este irmão tem um problema sério a resolver. As escolhas determinam nossos futuros. Lutar contra o pecado é o quinhão de todo aquele que nasceu de novo e tentar acertar-se com Deus. Suas colocações são importantes e factíveis. Caberá ao dito irmão assumir e viver somente para glória de Deus. O apóstolo Paulo diz em Romanos que já estamos mortos com Cristo e é para que nós lembremos disso. Não se morre duas vezes. E como Paulo disse a Lei somente permanece enquanto estamos vivos, após a nossa morte ela deixa de ter seu poder.
    Muito bom seu texto.
    Um abraço
    Em Cristo

    ResponderExcluir
  3. Graça e paz Jorge.
    Até encontrarmos o equilíbrio na vida cristã sempre estaremos como se em uma gangorra, sempre enfrentando altos e baixos na vida espiritual, por isso é necessário um acompanhamento de uma pessoa mais velha (mais madura espiritualmente) para ajudar os neófitos na fé.
    Estou enfrentando algo semelhante em uma família que veio para nossa igreja recentemente. O marido era uma pessoa muito ausente no cuidado da esposa e dos filhos. Assim que se converteu mudou radicalmente a sua postura como marido e como pai, no entanto, recentemente a esposa anda reclamando dele dizendo que ele não está como no início da conversão. Estamos acompanhando essa família toda semana, fazendo o discipulado com eles e na nossa última conversa eu falei exatamente sobre esses altos e baixos da vida cristã e a necessidade de encontrarmos o equilíbrio e permanecermos nele. Falei-lhes que no início nós estamos apaixonados por Jesus, mas que essa paixão precisa virar amor e o amor é o ponto de equilíbrio em nossos relacionamentos, tanto com Deus como em família.
    Esse rapaz que você falou está precisando se relacionar com pessoas que possam lhe ajudar a sair dessa compulsão pelo pecado, talvez precise se abrir com o seu pastor ou com outra pessoa que ele confie, mas o mais importante é ele se apegar a Deus que certamente lhe ajudará a sair dessa vida de pecado. Eu estou lembrando de José quando esteve na casa de Potifar e a esposa deste quis ir para cama com ele, a resposta dele foi a de uma pessoa temente a Deus, ele disse que não iria pecar contra Deus (Gn 39.9). Essa maturidade com ajuda de Deus através de uma vida de oração e leitura da Palavra certamente lhe ajudará a sair disso. Mas acima de tudo, tem que querer largar o pecado.
    Fique na Paz!
    Pr. Silas

    ResponderExcluir
  4. Primeiramente ao adentrar nesta página reconheço seu valor e a importância de seu autor para a nobre causa do Senhor Jesus Cristo.
    Dito isso, quero convidar você que está lendo estas minhas palavras, a prestar um pouco mais de atenção as revelações do Espírito Santo Verdadeiro em nossos dias.
    Por se tratar de um assunto de interesse universal, pediria sua amável atenção, em uma breve, mais com certeza, produtiva visita ao nosso blog, onde estão depositadas Revelações do Senhor Jesus Cristo, para as quais peço encarecidamente que nos ajude a divulgar. Pois estamos vivenciando um memento muito sensível da palavra profética. Desde já suplico as bênçãos do Pai, do Filho e do Espírito Santo Verdadeiro sobre todo aquele que atender esse nosso chamado em nome do Senhor Jesus Cristo. Clique em martins111 - João Joaquim Martins.

    ResponderExcluir
  5. Ricardo, Pr. Luiz Fernando e Pr.
    Silas,

    muito obrigado por seus comentários.

    Todos eles acrescentaram mais ao texto, servindo de auxílio ao irmão o qual espero tenha relido o texto e os comentários.

    Em princípio, não queria postar a minha segunda resposta, mas, pensando no grande número de irmãos que se encontram dominados pelo pecado (seja qual for) considerei a idéia de publicá-lo, não sem antes pedir sabedoria a Deus.

    Fiz algumas adequações, mas, de uma forma geral, é praticamente a mesma resposta que lhe enviei.

    Espero que outros irmãos possam ser beneficiados pelo que escrevemos, e possam realmente firmar-se no Senhor, sem o qual não somos nada.

    Forte abraço, meus irmãos e amigos!

    Cristo os abençoe imensamente!

    ResponderExcluir
  6. João Martins,

    Como lhe disse em outro post, a Bíblia é somente uma, não há outro livro que Deus tenha para o Seu povo. Portanto, a verdade já está lá, nos 66 livros do AT e do NT.

    O livro que você apregoa ser do "Espírito Santo Verdadeiro" nada mais é do que textos bíblicos fora do contexto, mal interpretados, e que apresentam heresias como a de que Satanás criou a carne e o mundo.

    Simplesmente o que você está fazendo é blasfemar, copiando as heresias gnósticas dos primeiros séculos do Cristianismo, as quais afirmavam ser Demiurco (o deus do mal) o criador da matéria. Esta afirmação é algo totalmente maligna e antibíblica, pois em João 1.3 está claramente expresso que Cristo é o criador de todas as coisas, "e sem ele nada do que foi feito se fez".

    Portanto, este é o último comentário seu que publico, contendo as suas heresias e distorções da Palavra.

    Que Cristo lhe dê a graça de conhecê-lo, verdadeiramente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Graça e paz Jorge.
    Esse João Martins postou vários textos em meu blog e acredito que em outros blogs também. Eu visitei o blog dele, esse cara está completamente fora de sintonia. O que ele chama de revelação do Espírito Santo nada mais é do que revelação de Satanás. Esse indivíduo é completamente gnóstico, dá até pena de ver um cara aparentemente tão inteligente, mas completamente mergulhado na ignorância bíblica.
    Que o Senhor tenha misericórdia dele e lhe abra os olhos espirituais.
    Fique na Paz!
    Pr. Silas

    ResponderExcluir
  8. Pr. Silas,

    é como Paulo disse: "E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade" (2Ts 2.10-12).

    Que os olhos do Martins vendo, vejam o Senhor da glória, ouvindo, ouça a voz do bom Deus a falar-lhe para rejeitar a tolice, porque o tolo se alimenta dela e, certamente, por ela definhará, e morrerá.

    Que ele veja a verdade, ame-a, e abandone a mentira.

    Abraços, meu irmão!

    ResponderExcluir
  9. "... Escondi a Tua Palabra no meu coração, para NÃO PECAR contra Ti..."

    É o melhor conselho que eu conheço.

    E o segundo melhor conselho que eu conheço é: Diga NÃO para o pecado e RESISTA:

    "RESISTI ao diabo e ele fugirá de vós...".

    ---

    Se você não conseguir resistir, é de se perguntar se houve real conversão sobrenatural, ou se houve apenas uma emulação de conversão de tanto se querer tal coisa.

    Após o verdadeiro novo nascimento o ciclo peca-arrepende peca-arrepende deve acabar, e o pecado (que continua presente) se torna exceção.

    Afinal eu pergunto, como o apóstolo fez com outras palavras... quando tentados resistimos até o sangue? Ou foi apenas um simulacro de resistência?

    Após o novo nascimento sabemos que temos PODER de dizer NÃO e VENCER, se sabendo disto ainda assim não queremos resistir, então é porque efetivamente queremos pecar e este pecado Deus PESARÁ SUA "PESADA" MÃO sobre nós, pois sabemos que temos a vitória e nos recusamos a usá-la (dizer NÃO e RESISTIR até que a tentação vá empora).

    Não estou dizendo que não se peque após o novo nascimento, ESTOU DIZENDO QUE O PECADO DEIXOU DE SER HÁBITO.

    Continuar racionalmente pecando após o novo nascimento é pedir para apanhar, pois Deus apressadamente fará (faz isto com os filhos que ama) que caiamos debaixo de sua mão para pelo sofrimento corrigirmos o rumo das nossas vidas.

    "Não se morre duas vezes..." Gostei muito desta frase, mostra que a pessoa que disse de fato sabe o que é o novo nascimento.

    Cada um deve ponderar sobre o seu novo nascimento, se é que somos eleitos de fato, ou se não estamos no grupo que dirá "Senhor, Senhor, em Teu nome.... fizemos isto e aquilo..." E Ele dirá "Não vos conheço...".

    Não tem muito mistério:

    - Após o novo nascimento recebemos PODER, então é basicamente:

    ESCONDER A PALAVRA NO CORAÇÃO +
    DIZER NÃO PARA O PECADO +
    RESISTIR ATÉ QUE A TENTAÇÃO SE VÁ.

    Se não surgir efeito... será que houve novo nascimento?

    ResponderExcluir
  10. Natan,

    sábias palavras.

    Que cada dia sejamos mais capacitados por Deus a resistir ao pecado, a impedi-lo de emergir da sarjeta; a vivermos uma vida santa diante do Senhor.

    Cristo morreu por isto, para que fóssemos santos e irrepreensíveis. Ainda que seja uma promessa para a eternidade, podemos vivê-la aqui e já.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Caro irmão Jorge, uma de suas virtudes é a siceridade e não é di hoje,nos conhecemos a mais de trinta anos. Parabéns pela postagem propositiva e real. Não é simplesmente teórica, teológica,nem opinativa. É, diríamos pastoral, fraternal. Denota amor e capacidade de sentir o que o outro sente e tentar ajudá-lo. Sofrer com os que sofrem. Aliás quando você não cria, ou tinha descrido, você sofreu comigo e com a Rose,lembra? Jamais esquecerei. Tal situação não passa pelo racional simplesmente mas pelo milagre, pela manifestação imediata de poder. A oração que faz acontecer, um que crê que se sucederá como pedido.Que tal uma oportunidade para você para crer além doóbvio e assim abençoar pessoas?
    Que essa oportunidade redunde em milagre para o irmão citado e para você que o amou e se debruça em oração por ele. Deus o abençoe ricamente querido. Abençoe mesmo.
    SDe puder leia sobre as duas postagens sobre autoridade que postei em meu blog, faltando ainda a conclusão. Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Helvécio,

    obrigado por seu comentário.

    Você sabe que é um irmão e amigo querido, assim como a Rose e os "meninos" também são.

    Cristo nos abençoe e nos capacite a ser mais e mais suas testemunhas, não somente falando mas vivendo o Evangelho.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  13. Jorge,

    O post eu já disse, é excelente mesmo. E agora aproveito para dizer que a manifestação do Natan quase vale um outro post. Concordo "in totum" (rsrs) com as afirmações dele.

    Grande abraço!

    No amor de Cristo!

    Ricardo

    ResponderExcluir