22 dezembro 2012

Neocalvinismo: breve análise a partir do texto de Pronk




Por Jorge Fernandes Isah

Primeiro, quero dizer que o livro, “Neocalvinismo: uma avaliação crítica”, está disponível em ebook gratuitamente na página da Editora Os Puritanos, e também há uma boa gama de blogs e sites que o disponibilizam para download, não sendo necessário comprá-lo pela Amazon.

Sobre a obra de Cornelis Pronk, ela é de se ler em uma sentada, ainda que não seja aconselhável que o faça. Mas como um "panfleto", no sentido original da palavra de ser um texto em que se expõe uma ideia de maneira breve, concisa e não exautiva, ao invés do sentido atual de um texto breve mas agressivo, difamatório ou sarcástico; faltam-lhe mais dados e esclarecimentos sobre o neocalvinismo, um estudo mais detalhado, aprofundado, um raio x do movimento, como ele merece ser realizado e, penso, está-se por fazer [ao menos pelas informações de que disponho].

Entendo que o autor quis se ater ao caráter mais "vísivel" do neocalvinismo, ou seja, o de defender uma redenção cultural através da igreja, significando que a obra de Cristo na cruz não se resumiu à expiação para e pelo seu povo ou igreja, mas de maneira ampla englobava uma redenção "cósmica" por assim dizer.

Sempre tive o pé meio atrás com relação ao neocalvinismo, por conta da sua proximidade perigosa com a cultura e o mundo, e com outros movimentos cristãos, como o carismático. E ela, de certa forma, trás em si algo de realmente danoso que é a possibilidade de contaminação do Evangelho por elementos seculares; uma diluição da mensagem bíblica que, ao invés de ser ela o facho de luz a se lançar em meio às trevas, ainda que de maneira inconsciente se vê disputando espaço com ela, como se ambas sentassem no mesmo banquinho e dissessem uma à outra: “chega um pouquinho pra lá!”. Acaba-se que a igreja está muito mais sujeita a se deixar influenciar pelo mundo do que ser influenciada para ele.

Perigosamente se busca uma justificativa, uma quase necessidade de aceitação do Cristianismo pelo mundo, como se a igreja estivesse submetida a um estado de inferioridade que somente se poderia “curar” utilizando-se as armas que o mundo considera adequadas, e que na verdade são para ele, mas que não podem responder nem aos seus próprios anseios quanto mais aos nossos. Parte da igreja, seja maioria ou não, parece querer a equiparação, a se igualar ao mundo, e assim revelar-se tão superior quanto ele. Sofremos da “síndrome do subsolo”, e o ar parece existir apenas na superfície. O argumento é a necessidade de se alcançar todos os grupos e segmentos da sociedade, e para isso é justificável utilizar qualquer meio que esteja à disposição para se fazer o evangelismo. Maquiavel soltaria um sorriso sarcástico se nos visse hoje em dia. Esse mesmo utilitarismo que busca como finalidade o bem-estar destes grupos, a redenção individual a partir do coletivo, em que a intenção ou motivação é muito mais importante do que a obediência aos princípios cristãos. Em linhas gerais, se determinada ação pode resultar na conversão de alguém, ela é meritória e certa, ainda que inobservando, em oposição aos preceitos divinos. O que me leva a meditar sobre a real intenção dos atuais proponentes do neocalvinismo: o cuidado verdadeiro com as almas perdidas ou a autoexaltação através das suas habilidades?

O fato é que, com as armas mundanas, sempre estaremos na "rabeira", e muitas vezes desprezamos o que de fundamental há na fé cristã: o chamado para realizar a obra que Cristo nos deu a fazer, não somente isso, mas como deveria ser realizada.

Há pastores cada vez mais empenhados em levar para as suas igrejas aspectos culturais da sociedade como danças modernas, música moderna, esportes modernos, literatura moderna, e etc, com o argumento de que se pode adequar a pregação, especialmente, com outros meios para alcançar grupos e pessoas que não se enquadrariam ao padrão histórico ou formal da igreja. “Diversão também é cultura, e a cultura leva a Cristo”, dizem enfáticos. Quanto a isto, penso que é a mais pura bobagem, tolice mesmo. A Bíblia nos diz que a salvação vem pelo ouvir a palavra de Deus, e muitos se esquecem de que o eleito a ouvirá sempre, sem chance de não ouvir; exatamente por ele ser eleito a mensagem do Evangelho estará à sua disposição em algum momento da vida, pois não há eleitos inelegíveis nem não-eleitos elegíveis.

Outro dado que me vem à memória é de que, à época do profetas, Cristo e dos apóstolos, já havia o teatro, a música, danças, e muitas outras formas de expressão que existem hoje, e nem por isso os vemos utilizando-as na igreja ou em missões.

Pode-se discutir se eles são aplicáveis ou não na igreja ou fora dela, mas o empenho com que se realizam "produções artísticas" hoje, como forma de evangelismo, está muito distante do padrão bíblico. Alguém pode dizer que o fato dos profetas e apóstolos serem perseguidos os impediam de realizar os eventos como os realizados atualmente. Mesmo não vivendo na clandestinidade, já que pregavam em praças públicas, ruas, sinagogas, no templo e até mesmo no sinédrio e diante dos governantes, eles tinham de ser breves e aterem-se exclusivamente à mensagem pela pregação. Hoje, esta urgência não é mais necessária, concluiria o neocalvinista. Ao que pergunto: É mesmo, cara-pálida?

Alguém ainda pode insinuar que os relatos mais antigos não se preocuparam em descrever as várias formas de evangelismo à época. Com a profusão de detalhes a respeito da igreja, do culto, e do trabalho missionário que a Bíblia nos deixou, é-me impossível acreditar que se esse fosse o padrão usual ou mesmo extemporâneo da igreja, haveria ao menos uma citação sobre ele.

Pronk aponta a ideia recente da "Graça Comum" como um dos culpados por esse estado de coisas, como o ponto de partida para que Abraham Kuyper idealizasse o movimento. Ainda que ele diga haver em Calvino a formatação embrionária da ideia de ‘Graça Comum”, ela foi delineada, ao menos como a maioria dos crentes a imagina, pela pena do pastor e estadista holandês. Por mais que eu me esforce ainda não consegui entender essa graça geral e irrestrita, talvez por burrice ou obstinação, ou ambos, sei lá! Estou a precisar estudar a questão com mais empenho, mas o tempo não me tem sido favorável. De qualquer forma, nutro uma "repulsa" pela ideia, ao menos nos moldes em que me foi exposta por alguns irmãos, e o pouco que li. Pode ser que o foco inicial não seja o mesmo, mas... bem, isto é outra história, para outra hora, talvez no mesmo lugar...

Resumindo, penso que o livro, "Neocalvinismo: uma avaliação crítica", nos dá uma amostragem geral do movimento, faltando-lhe explicá-lo melhor, inclusive em relação as consequências práticas da sua atuação, seja para o bem ou mal.

Recentemente, a revista "Times" divulgou uma lista com as 10 ideias mais influentes nos EUA, e o neocalvinismo estava em quinto lugar, se não me engano. A questão é: quais as implicações práticas do movimento? Tem havido uma mudança, ou ao menos uma tendência a mudança, na sociedade a partir da influência do neocalvinismo? Em quê e de que forma tem influenciado positivamente a sociedade com a mensagem do Evangelho? Temo-nos voltado ao padrão bíblico? Ou ele se encontra dissolvido, inserido, quase camuflado, à cultura anticristã dos nossos dias? E, o meu maior temor: ele não tem se "intoxicado" do ideário marxista, de uma subposição do Evangelho à agenda social militante e dominante? De forma que o Evangelho seja suficientemente moldado, domesticado, e se torne irreconhecível? Assim como o movimento da "Missão Integral" se imbuiu desde o início em fazer, e o fez tão bem que um cortejo de cristãos o segue como se ele fosse a própria essência da palavra de Deus? Uma espécie de redenção do homem através da arte, política e ações que visem a redimi-lo de sua miséria cultural e social? Temo ser este o maior problema, o qual muitos não se aperceberam, e que pode já ser tarde para corrigir.

E assim nos tornarmos em crentes superiores, integrados ao ambiente intelectual mais sofisticados, mas muito abaixo do mais humilde pregador que, fiel ao mandamento e não ao mandato cultural, é realmente luz e sal num mundo caído.

15 dezembro 2012

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 40: A Trindade e o amor trinitário




Por Jorge Fernandes Isah



Há muitos textos na Escritura que revelam o amor de Deus por seu povo. O apóstolo diz que ele nos amou tanto que deu o seu próprio Filho em nosso favor, revelando que, como nos diz o mesmo apóstolo, ele nos amou primeiro. Se somos capazes de amá-lo é porque ele nos amou antes, e temos essa capacidade porque o Imago Dei, ainda que distorcido, quase um reflexo tênue do ser divino, foi-nos dado por ele. Amamos, porque ele nos amou antes da fundação do mundo; amamos, porque ele nos deu o seu amor e colocou em nós o seu maravilhoso atributo; amamos, porque sem ele não haveria o amor; amamos, porque Deus é amor, e traz eternamente em si mesmo a relação de amor entre as pessoas da Trindade. 

Ora, o amor não pode existir sem que haja o outro; qualquer ideia de um amor solitário é impossível. Para que haja amor é necessário, ao menos, duas pessoas, de onde o sentimento parte do sujeito ao objeto, ainda que o objeto não ame o sujeito. Ao amor não é necessário reciprocidade, alguém pode amar outrem e este outrem não nutrir nenhum sentimento pelo alguém. Em nossas relações há vários tipos de "amores", todos asseguradamente garantidos pela imperfeição e limitação humana. Há quem diga amar a natureza, o seu animal de estimação, uma obra de arte, um time de futebol, e coisas do gênero. Podemos refletir sobre eles se são mesmo amor ou não, porém, interessa-nos não estabelecer o que seja o amor da criatura, mas compreender o amor divino e relacioná-lo com o seu ser. 

Fato é que Deus, se sendo uma única pessoa, não teria a quem amar antes da criação. Mas se até mesmo a criação é um ato amoroso, ele, como o texto sagrado revela, nos amou sempre, eternamente. Alguém dirá que esse amor é possível; sendo Deus perfeito e imutável pode amar mesmo o que ainda não existiu e que para ele sempre existiu, pois sua mente é eterna assim como a sua vontade e atributos. Acontece que nenhum atributo divino surgiu por um processo de "evolução", mas todos são inerentes ao seu ser. Contudo, fica a pergunta: mesmo assim seria possível haver amor sem objeto a que se amar? 

Penso que em Deus o amor se dá exatamente porque em seu ser subsistem três pessoas; de forma que o amor eterno somente existe por causa das pessoas eternas que se amam mutuamente; sem as quais o significado da palavra "amor" não teria qualquer sentido, e a afirmação bíblica seria uma mera figuração, um símbolo desconectado com a natureza divina. Quando dizemos que "Deus é amor" não podemos jamais afirmá-lo com base apenas na criação, como se o atributo fosse contingente ao tempo e momento da criação. Ele existe eternamente e somente porque há uma interrelação entre as pessoas da Trindade, e pelo amor que há nelas, manifestando-se umas às outras. Negar o amor como fruto necessário da interrelação entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo é desprezar as evidências bíblicas, que mostram serem verdadeiras. E o amor somente é possível porque Deus é trino, e cada uma das pessoas tem em si a unidade absoluta do amor. 

Além desta questão crucial e fundamental para a fé cristã e bíblica, há outras provas de que o ser divino não é unipessoal mas tripessoal, onde as pessos se relacionam eterna e intrinsecamente, sendo, contudo, distintas entre si. Senão, vejamos:

a) Relacionamento pessoal
Nas relações pessoais que a Trindade têm entre si é evidenciado que são Pessoas diferentes. As suas designações Pai, Filho e Espírito Santo testificam isso:



1) Usam mutuamente os pronomes Eu, Tu, Ele quando falam um do outro, ou entre si [Mt 17.5; Jo 17.1; 16.28; 16.13];

2) O Pai ama o Filho, e o Filho ama o Pai. O Espírito Santo glorifica o Filho [Jo 3.35; 15.10; 16.14];

3) O Filho ora ao Pai [Jo 17.5; 14.16].

4) O Pai envia o Filho, e o Filho e o Pai enviam o Espírito Santo que atua como Seu Agente [Mt 10.40; Jo 17.18; 14,26; 16.7];

Porquanto, pelo fato de usar pronomes Eu, Tu, entre Si é evidenciado que há um só Deus em Três Pessoas Distintas.

B) São apresentadas separadamente

Três pessoas distintas são apresentadas em 2Sm 23.2,3; Is 48.16; 63.7-10. Igualmente, à vista do fato da criação ser atribuída a cada pessoa da divindade separadamente, como também a Eloim com as palavras “Também disse Deus [Eloim]: Façamos o homem ‘a nossa’ imagem” [Gn 1.26]. 

Esta convicção é confirmada como verdadeira pelo plural de Eclesiastes 12.1 que diz: “Lembra-te do(s) teu(s) criador(es) nos dias da tua mocidade”, e Is 54.5, que diz: “Porque o(s) teu(s) criador(es) é(são) teu marido”.

Este texto é um pequeno complemento às aulas passadas. Não tem por objetivo convencer os antitrinitários, os quais se desdobrarão em apresentar refutações ao que se apresenta, mas de levá-los a meditar na verdade, a qual a Bíblia insistente e claramente revela, e sem o quê o Cristianismo seria uma religião incoerente e sem nexo, especialmente diante daquilo mesmo que se revela. Há uma tão grande profusão de passagens que expressam a trinunidade de Deus que é o mesmo que chover no molhado, como a minha avó sabiamente dizia. E para que ninguém se molhe além do necessário, pararei por aqui, orando para que a verdade escriturística seja também verdade no coração rebelde do homem caído. 

Notas: 1 - Alguns pontos não abordados neste texto encontram-se expostos no áudio.
2- Aula realizada na E.B.D. do Tabernáculo Batista Bíblico
3- Baixe esta aula em Aula 40.MP3