21 fevereiro 2014

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 60 - Dons apostólicos: Cura


Por Jorge Fernandes Isah



A primeira coisa a dizer é que cremos no poder divino de curar, ao contrário do que alguns afirmam. Contudo não cremos mais que Deus o faça pelas mãos de homens ou mesmo pelos objetos que eles usavam. A Bíblia nos informa que a sombra de Pedro curava as pessoas [At 5.12-16]. Ele não orava nem as tocava, mas apenas o passar da sombra pelos enfermos curava-os. Igualmente as roupas de Paulo eram instrumentos de Deus para a cura dos doentes [At 19.11-12]. Mas isso poderia acontecer hoje? Podemos afirmar que não, porque essas maravilhas eram realizadas pelos apóstolos como confirmação de que a mensagem de boas-novas, o Evangelho de Cristo, provinha de Deus. E somente os apóstolos podiam transferir esses dons a outros irmãos da igreja, como já vimos em outra aula. Ninguém mais! Portanto, com o fim da era apostólica, esses dons cessaram, pois já não podiam mais serem transmitidos; não havendo nenhuma outra forma de sucessão apostólica além da autoridade que os próprios apóstolos possuíam. O dom de transmitir tal poder pertencia a eles, e somente a eles.

Então é preciso entender que o dom de cura tinha um caráter revelacional e estava diretamente ligado à testificar e ministrar o Evangelho de Cristo. Não tinha por objetivo apenas curar o enfermo, como vemos hoje nas "campanhas de cura", onde o Evangelho não é pregado, Cristo não é pregado, não há arrependimento, conversão, mas apenas uma proposta de cura do corpo enquanto a alma está moribunda e o espírito agonizante. Nada disso tem a ver com o dom dado à igreja primitiva. A cura, assim como os milagres, tinham o propósito de revelar Cristo e sua obra através da pregação do Evangelho, e de que ele provinha de Deus; igualmente testificava que os apóstolos e discípulos não proclamavam nenhuma mensagem meramente humana, mas eram porta-vozes do próprio Deus. Não pensem também que a igreja era um pronto-atendimento, como muitas igrejas defendem e tentam copiar, porém copiam um padrão que não é eclesiástico nem neotestamentário. A cura servia a uma finalidade, como já dissemos, e nem todos eram curados, e muitos não foram, como a própria escritura relata, porque era específico, restrito a certas situações. Os dons não eram como varinhas-de-condão, bastando acioná-las que automaticamente entrariam em ação e proporcionariam os efeitos desejados. Como exemplo, há o caso de Epafrodito, o qual é citado por Paulo como alguém que quase morreu, pois estava muito doente. A ordem sequencial, em Filipenses 2:25-27, é: esteve muito doente, e quase morreu, indicando que o seu estado de saúde agravou-se no decorrer da enfermidade. Deus o curou, e o apóstolo se alegrou de Deus tê-lo feito, mas não há nenhuma indicação de que foi por intermédio do apóstolo que o Senhor o fez, pelo contrário, a evidência é de que não houve sua intervenção direta a não ser pela oração, e nada mais. Ao ponto dele dizer que o Senhor teve misericórdia do seu companheiro de lutas e cooperador, mas também de si mesmo, poupando-o de sofrer tristeza sobre tristeza, com a possibilidade iminente da morte do amigo e irmão. Se Paulo dispunha do dom, no momento e hora em que quisesse usá-lo, por que não o fez? Ou não dependia, simplesmente, da sua vontade acioná-lo? Era necessário cumprir um propósito previamente estabelecido e comunicado por Deus? O que nos mostra que os apóstolos não eram super-homens, nem homens independentes, mas homens comuns poderosamente usados pelo Senhor, sujeitando-se à sua vontade e dependentes exclusivamente dela. Fica claro que Paulo, se ainda tivesse esse dom ou pudesse usá-lo a seu bel-prazer, não se furtaria a curar Epafrodito, um colaborador tão amado. Logo o dom de cura não era algo automático e infalível, e que se podia dispor dele quando bem o quisesse. Ele também diz que deixou Trófimo doente em Mileto, ao despedir-se de Timóteo [2Tm 4.20], e sugeriu ao próprio Timóteo que tomasse um pouco de vinho por conta das frequentes dores no estômago e outras enfermidades [1Tm 5.23].


O próprio fato de Paulo referir-se a um "espinho na carne", que bem podia ser uma doença usada por satanás para esbofeteá-lo [2Co 12.5-10], e ainda de um certo problema de visão que o acometeu durante bastante tempo, quando primeiro anunciou o evangelho aos gálatas, estando em fraqueza da carne [Gl 4.12-15], corrobora o fato de que ele não podia curar-se a si mesmo, utilizando-se do dom de cura em benefício próprio. Isso pode deixar muitos crentes atônitos: mas, para que o dom de cura se não posso curar a mim mesmo? E eu diria que, mais do que satisfazer aos nossos desejos pessoais Deus tem um plano maior, que é a sua glória, e, muitas vezes, não está nesse plano que um crente seja curado, que não sofra um acidente, que não seja perseguido, perca os seus bens e família, seja torturado ou morto [como Lutero proclama no hino 323, do Cantor Cristão, "Castelo Forte":
 
Sim, que a palavra ficará,
Sabemos com certeza,
E nada nos assustará,
Com Cristo por defesa.

Se temos de perder,
Os filhos, bens, mulher,
Embora a vida vá,
Por nós Jesus está,
E dar-nos-á seu Reino
].
 
Portanto, a nossa conclusão é de que o dom de cura era especialmente ministrado em momentos específicos, e de forma bastante restritiva, no sentido de não ser um acontecimento trivial e corriqueiro, como muitos hoje querem fazer parecer. Ao se afirmar que o problema é de fé, de que o homem sem fé não "recebe" a cura, a glória da cura passa a ser do homem, sem o qual não haveria o dom. Mas, sabemos que Deus é sempre glorificado, e ninguém pode tirar-lhe a glória [Is 42.8]. É algo que os cristãos devem pensar: há uma divisão de ações entre Deus e os homens, no sentido de algo que o Senhor quer fazer não acontecerá porque impedimos?... Especialmente, aos calvinistas, gostaria de deixar essa reflexão. E, se Deus divide conosco a decisão da cura, no sentido exposto acima, de que se não quisermos a sua vontade decairá [não se realizará], mas se desejamos e a cura acontece, a glória não deve ser dividida com o homem? Ou seja, podemos impedir Deus de agir, seja por falta de fé [quando se quer, mas não se pode ter o que se quer] ou porque não queremos? Pensem comigo: não é, talvez, por isso, que muitos líderes são exaltados quase à altura de Deus? E muitos os têm como o próprio Deus na Terra? Não é, por isso, que muitos ídolos são construídos, e as pessoas se esmeram em ofender o Todo-Poderoso infringindo o 1o., 2o. e 3o. Mandamentos? [Ex 20.1-3]. É claro que este é um exemplo extravagante, mas que tem se tornado rotineiro entre as muitas comunidades cristãs, por falta de conhecimento e uma boa dose de egoísmo e imediatismo; porque, quem assim o faz, reconhece nesse homem um poder e uma capacidade de semideus. E vou mais além: não haveria um espírito de falsa-modéstia, de dissimulação [consciente ou não], quando não assumimos isso, que o "curador" divide com Deus a glória da cura, e dizemos, da boca para fora, "não, a glória é somente de Deus"? É algo que devemos meditar e verificar, se não incorremos em erro de princípio, pois, do contrário, todas as justificativas para a crença no dom de cura atualmente estão fundamentadas em um mérito pessoal, e claramente a Bíblia nos adverte de que nada pode ser justificado por obras de justiça humanas [Tt 3.5]. Logo, é temerário que incorramos em uma espécie de exaltação e glorificação do homem ao posto de "deus" [exemplos, no decorrer da história, enchem as páginas dos livros e se refletem na vida de milhões de cristãos mundo afora], e em um "rebaixamento" de Deus, o que, sinceramente, é imperdoável em todos os aspectos, seja consciente ou não.

Por estes e vários outros motivos, mas especialmente pelo testemunho da palavra de Deus, não nos curvamos ao modernismo e ao imediatismo de aceitar os dons apostólicos como contemporâneos. Certamente eles veem mais para cegar ou manter cegos os ímpios do que para iluminar os salvos.

Notas: 1) Aula ministrada na E.B.D. do Tabernáculo Batista Bíblico;
2) Uma análise mais profunda está disponível no áudio desta aula, onde são abordadas questões e passagens bíblicas não examinadas no texto, como Mt 9:18-26, 15:29-31 e Atos 3:1-10, inclusive a ligação de Israel e os judeus com a incredulidade em Cristo;
3) Baixe está aula emAula 76 - Dons V.MP3

09 fevereiro 2014

Estudo sobre a Confissão de Fé Batista de 1689 - Aula 59 - Dons Apostólicos: Fé


Por Jorge Fernandes Isah



Entendo que a fé a qual Paulo se refere não é a salvadora ou aquela que Deus nos dá para reconhecermos Cristo como Senhor e Salvador, visto ser dada a uns e não a todos os irmãos. 

Mas, então, a qual fé o apóstolo se refere como um dom especial? Bem, provavelmente, esta fé está relacionada com milagres e, mais especificamente, com aquilo que Cristo disse aos seus discípulos: "Porque a fé que vocês têm é pequena. Eu asseguro que, se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: 'Vá daqui para lá', e ele irá. Nada será impossível para vocês" [Mt 17:20]. Se atentarmos para o texto, os discípulos não conseguiram expulsar um demônio de um menino, o que levou o seu pai a implorar ao Senhor para que o fizesse, ao que Jesus desabafou: "Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei com vocês? Até quando terei que suportá-los? Tragam-me o menino" [v.17]. Após ordenar que o demônio saísse do rapaz, viram os discípulos que o demônio obedeceu imediatamente à ordem do Senhor, e lhe perguntaram, em particular: "Por que não conseguimos expulsá-lo?, então, o Senhor apontou o problema: a falta de fé!

Portanto, tudo indica que esse dom estava diretamente ligado à fé que produzia milagres; mas, também, a fé produzia um milagre especial, do qual toda a igreja deveria compartilhar, que é de acreditar no poder divino, de maneira a não deixá-los entregues à incredulidade, ao desânimo, às vicissitudes, sabendo que o poder de Deus era maior do que todas as coisas e, entre elas, a maior que um homem pode almejar é o de testemunhar a Cristo, o que, convenhamos, diante de um mundo caído e que odeia a Deus, não é nada muito fácil. 

Se atentarmos para as circunstâncias daquele momento histórico, perseguições, apedrejamentos, prisões e mortes, simplesmente pelo fato de professar a fé em Cristo e proclamar as suas boas-novas, havemos de entender a situação de angústia, sofrimento e dor pelas quais os irmãos eram provados. Por isso, acredito que havia um dom especial de fé, de levar à fé outros irmãos, de estimulá-los a crer nas promessas do Evangelho, na esperança, na qual toda a igreja deveria comungar, nos momentos emergenciais, de forma que essa fé servia como consolo, mas igualmente era uma "força motriz" na intercessão junto a Deus por aqueles que eram afligidos pelos inimigos e que se sentiam "fracos na fé" [Rm 14.1]. Certamente eram irmãos que, com o dom especial de fé, auxiliavam e sustentavam os débeis [1Ts 5.14], suportando as suas fraquezas [Rm 15.1-2]. 

Esta fé capacita-nos também a colocarmo-nos à serviço de Deus, de honrá-lo e glorificá-lo com nossa vida e atitudes, levando-nos a dar um bom testemunho de Cristo. Há também o fato de que ela produz a esperança e certeza nas promessas que nos foram entregues por Deus, persuadindo-nos de tudo o que ele disse se cumprirá, pois ele é verdadeiro, tornando o que ainda não vemos em certeza, a fim de que a nossa alma caminhe tranquila e confiante na revelação. Não é o que diz Hebreus 11.1-3? 

"Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos. Pois foi por meio dela que os antigos receberam bom testemunho. Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que aquilo que se vê não foi feito do que é visível".

Outro ponto importante em relação à fé é que, por ela, Cristo habita em nós, e ele somente habitará naquele que tem fé, que receberá a plenitude da graça, ao passo em que Cristo está-se formando nele. Esta é uma relação de dependência do crente em Cristo, pois tudo é dele e nós também o somos. E, como o apóstolo Paulo, poderemos dizer, seja agora ou em breve, "já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim" [Gl 2.20]. 

Notas: 1- Aula realizada na EBD do Tabernáculo Batista Bíblico
2- Ouça e baixe o áudio desta aula em Aula 75 - Dons IV.MP3

02 fevereiro 2014

Deus não tem escolhas

Farei algo que nunca fiz por aqui antes, nestes mais de cinco anos. Republicarei um texto. O que é inédito. Se o texto não é, ao menos a iniciativa será. Os motivos são vários, desde o cansaço [são mais de dez anos sem férias], um pouco de preguiça e, principalmente, por considerar este um dos meus melhores textos [ao menos um dos que mais gosto], e ele está meio que negligenciado pelos leitores. Deveria estar no "Top Ten" do Kálamos e não sei se está entre os 20 ou 30 mais lidos. Acalento esta idéia há algum tempo, e o momento parece-me propício. Mesmo aos que já o leram, seria bom uma nova leitura. E aos que ainda não leram, leiam... Ah, e não se esqueçam de ler os comentários, também, na postagem original, que podem ser acessados AQUI
Sem mais delongas, vamos a ele!


Deus não tem escolhas

       














Por Jorge Fernandes Isah

Algo complexo e de difícil definição é o conceito de liberdade. Ela pode representar várias perspectivas, de vários pontos de vista diferentes, e serem completamente antagônicos entre si. Daremos uma olhada em como o Priberam define-a:

liberdade
(latim libertas, -atis)
s. f.1. Direito de proceder conforme nos pareça, contanto que esse direito não vá contra o direito de outrem.2. Condição do homem ou da nação que goza de liberdade.3. Conjunto das ideias liberais ou dos direitos garantidos ao cidadão.4.Fig. Ousadia.5. Franqueza.6. Licença.7. Desassombro.8. Demasiada familiaridade.

A definição parece restringir-se ao relacionamento entre homens, seja individual ou coletivamente, mas afeita exclusivamente a eles. É basicamente sociológica, menos filosófica, não-metafísica, pouco abrangente.

Uma definição mais ampla é encontrada no Michaelis:

liberdade
li.ber.da.de
sf (lat libertate) 1. Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. 2. Poder de exercer livremente a sua vontade. 3. Condição de não ser sujeito, como indivíduo ou comunidade, a controle ou arbitrariedades políticas estrangeiras. 4. Condição do ser que não vive em cativeiro. 5. Condição de pessoa não sujeita a escravidão ou servidão. 6. Dir Isenção de todas as restrições, exceto as prescritas pelos direitos legais de outrem. 7. Independência, autonomia. 8 Ousadia. 9 Permissão. 10 Imunidade.

Aqui há uma gama de descrições que se aplicam diretamente ao homem, mas que têm também conotações filosóficas como a definir, por exemplo, o livre-arbítrio, o qual é, entre outras coisas, o “estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral”; e, ainda que seja apenas uma proposição improvável, “exercer livremente a sua vontade”.Porém, o assunto deste texto não é discutir o famigerado livre-arbítrio e sua impossibilidade de garantir a liberdade da indiferença ou o indeterminismo, mas apenas demonstrar a dificuldade e o campo minado em que se entra quando a questão é demarcar e, especialmente, aplicar o conceito de liberdade.

Se definir liberdade é algo complexo, em se tratando da condição humana, o que se poderá dizer de Deus? Os cristãos bíblicos concordarão que Ele é livre; e a Criação resultou de Sua decisão livre, ao decretar que tudo criado, seja material e espiritual, viesse a existir a partir do nada. É o relato bíblico: “No princípio criou Deus o céu e a terra” [Gn 1.1]. Mas isso significa dizer que Deus teve escolhas? Que num leque de possibilidades escolheu uma delas? Ou até mesmo a hipótese de não escolher criar absolutamente nada era provável? Seria possível para Ele pensar em modelos ineficazes e falhos? Para, então, descartá-los? E ficar com o mais aceitável ou perfeito? Pode Deus cogitar algo imperfeito? E o que garante a escolha certa? Em quais bases, escolheu? Quais foram os critérios que o levaram à Criação? Era-lhe possível não criar? E qual a certeza de que o plano daria certo? E efetivamente escolhera o correto? Não parecem variáveis de um pensamento imperfeito, e não provindos de uma mente perfeita?

Talvez o grande problema aqui não sejam as respostas nem as perguntas, mas o fundamento através do qual elas são formuladas. Em linhas gerais, tentamos entender Deus a partir do padrão humano, como se fosse um de nós, e estivesse sujeito à mesma imperfeição que resultará na maioria das vezes em distorções, em inadequações da realidade. Se acredito que o Senhor é capaz de ter escolhas, no sentido de dar a Si mesmo opções do que escolher, havendo em princípio boas e más opções, ao descartar-se uma em detrimento de outra resultará na deficiência do conjunto daquela, como uma obra “menos perfeita”, não-ideal, enquanto esta demonstrará ser “mais perfeita”. Mesmo que todas as opções fossem“integralmente” perfeitas, o ato de escolha indicaria que, em algum aspecto, haveria imperfeição em um ou mais modelos. E se há imperfeição, pode provir de Deus? A mente absoluta, incomparável, única, e que reúne todas as qualidades concebíveis, um padrão irrepreensível, impecável e insuperável em sua própria essência, poderia imaginar o mais remoto e inverossímil plano? Pode-se imaginá-lo a arquitetar o inacreditável? Algo que contradiz a Sua natureza? O ser eterno, infinito, perfeito e santo cogitaria [como a mais improvável conjectura] o que não estivesse em conformidade com a Sua divindade?

Veja bem, estamos falando do decreto eterno, o qual é santo e perfeito, e não das contingências e particularidades dele. Não há como negar que, por exemplo, o mal seja mal, o pecado seja pecado, a Queda seja a Queda, a corrupção seja corrupção, o imoral seja imoral, mas eles são partes de um todo que não pode ser superado em seu aspecto determinado como a expressão da vontade santa, excelente, completa e irretocável de Deus. Como conseqüência e resultado de Sua mente absoluta.

O que estou a dizer é que escolhas pressupõem a superioridade de uma em relação à outra, ou a superioridade do nosso conhecimento ou perspectiva em relação a elas. Para que Deus escolhesse entre algumas ou muitas opções seria necessário não deterem o mesmo nível de perfeição. Em maior ou menor grau, haveria variáveis, e variáveis levarão inevitavelmente à mutabilidade. O próprio fato de Deus cogitar principiar duas ou mais coisas, ainda que no campo imaginário, apontaria para sua mutabilidade ao exercer o seu direito de escolha, e ao fazê-lo, não se terá a certeza do decreto acabado, mas sujeito às transformações durante o seu desenvolvimento no tempo.

Entendo que há muitos atributos divinos ligados à questão, e caso decida-se pelas “possibilidades de Deus”, estar-se-á comprometendo cada um deles, ao ponto em que, tanto a imutabilidade, a onisciência, a sabedoria, a perfeição, especialmente, estarão prejudicados.

Hipóteses existem para nós, seres corrompidos. Ainda que escolhamos aquela decretada por Deus. Essa forma de pensamento define muito bem a nossa imperfeição, conjecturamos o que Deus poderia fazer [do ponto de vista racional e lógico], mas Ele não teve escolhas, senão o eterno decreto poderia não ter sido a melhor delas, e nem seria eterno. O próprio fato das escolhas em si mesmas revelará uma mente insegura, instável, mutável, não-perfeita. Deus não se ateve a opções, nem as analisou, nem as estudou, nem as cogitou. Isso daria margem para a hipótese de haver algo que não pensasse, e que pudesse ser melhor do que o pensado. Quantas opções a sua mente infinita teria? Porém a infinitude da mente divina não implicaria na infinitude de proposições, em múltiplos planos, em possibilidades de contradição, de se cogitar algo que contrariaria a Sua própria natureza, de implicar na mínima chance de que Ele pudesse errar, ou seja, levá-lo a enganar-se.

Alguém pode dizer que a santidade e a perfeição o conduziriam a optar pelo melhor plano sempre, mas a própria idéia de um plano A, B, C ou D, resultará na inadequação de ao menos três deles. E tanto a santidade como a perfeição seriam postas de lado por não se enquadrarem ao padrão do Seu pensamento. Se levarmos esse conceito de hipóteses para Deus, ele representará que Deus é capaz de pensar imperfeitamente, e até mesmo de criar imperfeitamente, pois o cogitá-los, por si só, já preanunciaria um estado não-perfeito e não-santo. E, convenhamos, o que a Bíblia afirma é a exata e inquestionável perfeição e santidade divinas. Quanto a isso, não há sombra de dúvidas. O problema nunca está em Deus, mas em nós que não assumimos nossa porção de equívocos e distorções diante de Sua majestade e glória refletidas na revelação especial [e perceptíveis na Criação].

Deus, como o Ser, como o Absoluto, não teve escolhas. Ele pensou uma única vez, um único plano, perfeito, acabado, irretocável, infalível, imutável, assim como Ele é. Este plano já era antes da fundação do mundo, assim como Deus é. O que me leva a concluir que Ele é livre, mas não de uma espécie de sub-liberdade que o condicionaria a equívocos possíveis nas escolhas, ou mesmo a exigüidade delas.

Deus pensou o certo desde o princípio. Pensou o perfeito desde sempre. O imutável. Determinou todas as coisas uma única vez, sem a chance de errar. O que está diante dos nossos olhos e o que não está, o que ouvimos e não ouvimos, o que sentimos e não sentimos, o que existe e o não existe, simplesmente é e não pode deixar de ser. O que não é não veio a existência porque Deus não quis, mas porque não poderia vir [como algo insofismável]; já que não há nEle o cogitar, mas o inapelável, o determinado, o absoluto, não o indeterminado, o provável, o dedutível.

Por isso, Ele é Deus. O Criador. Porque Ele simplesmente é o “eu sou” [Ex 3.14, Jo 8.58].