21 maio 2018

Sermão em Lucas 12.34: Onde está o seu coração?






Jorge F. Isah



    
           “Porque, onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso          coração.”  Lucas 12:34

  

INTRODUÇÃO:


- Fim-de-ano é uma época interessante, onde as pessoas, de maneira geral, se entregam aos sonhos, desejos e expectativas.
 
- Seja por aquilo que desejam ganhar, na forma de presentes, atenção, abraços efusivos; seja por aquilo que lhes aguce os instintos: comida, bebida, danças, músicas, etc, ou seja, o prazer sensorial e corporal.

- Seja pela esperança de um ano-novo melhor, com aspirações de mudanças profissionais, financeiras, na aparência, comportamento, etc.

- Na verdade, é uma época em que o seu real sentido é pervertido, e camuflado por tudo aquilo que, pouco ou nada, diz respeito ao seu real propósito.

- Em particular, o Natal é ainda mais estranho, perdendo, cada vez mais, a sua originalidade.

- Não vou entrar nos pormenores de se devemos ou não festejar o Natal, se é certo ou errado o cristão fazê-lo.

- Historicamente, sem houve grupos a favor e contra, cada um com os seus argumentos a defende-lo ou ataca-lo, mas o certo é que irmãos fieis e servos sinceros de Cristo estiveram em ambos os lados.

- O fato é que a palavra “Natal” significa “nascimento”.

- Mas, nascimento de quem?


O SENTIDO DO NATAL

- Para acabar com o suspenso, vou logo dizendo que o Natal existe por causa de uma pessoa: Jesus Cristo!

- Por mais que as pessoas se importem ou não com o fato, queiram despreza-lo ou não, ignorem-no ou não, a verdade é que se estão comemorando o Natal, o estão por causa de Cristo. Quer aceite ou não.

- Cristo foi aquele que, com o seu nascimento, dividiu a história da humanidade em antes e depois dele (A.C./D.C.).

- É a personagem mais importante, crucial, na história humana.

- É por ele que existimos e vivemos. Hebreus 1.1-3:
“Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,
A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.
O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas... “ Hebreus 1:1-3
 
- O Cristo assumiu a forma humana, fazendo-se um de nós. Então, ele teve de nascer. E o seu nascimento foi assim descrito por Mateus:

“Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.
Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.
E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo;
E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.
Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz;
Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco.
E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher;
E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.” Mateus 1:18-25

  - Cristo nasceu! E o Natal representa exatamente isto, que ele veio ao mundo.

- A maioria das pessoas ignoram esse real sentido.

- Talvez porque reflitam, no fim-do-ano, o descaso e rejeição ao Filho de Deus que tiveram durante todo o ano, durante a totalidade de suas vidas.

- Assim como no Natal, homem algum deve simplesmente gastar a sua vida nos exageros dos sentidos, transformando-os em mero manifesto a fim de dar vazão e causa para o pecado e a carnalidade.

- O Natal serve-nos como reflexo daquilo que desejamos, ansiamos ou realizamos. As intenções não serão diferentes daquelas a conduzir-nos durante todo o ano.

- Por isso, voltamos ao versículo inicial de Lucas 12.34: Onde está posto o seu coração? 





SEU CORAÇÃO ESTÁ POSTO NO LUGAR CORRETO?

- Este Capítulo de Lucas vai nos revelar qual é a nossa real motivação, interesses, e em quem temos colocado o nosso coração.

- Há uma exortação do Senhor quanto a qual é o nosso tesouro: se os bens, o conforto e as riquezas materiais, satisfazendo os nossos desejos e instintos, ou se agradar, servir e sujeitar-se a Deus.

- Quero fazer uma ressalva: Não estou condenando nem as riquezas, nem o conforto, muito menos a aquisição de bens materiais. Nada disso é ilícito, se colocado no seu devido lugar, no lugar em que Deus quer que o coloquemos.

- Paulo nos diz:

“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se transpassaram a si mesmos com muitas dores.” 1 Timóteo 6:10

  - Portanto, o pecado não é em se ter dinheiro, mas a amá-lo, como um ídolo. O homem deve amor a duas coisas somente: a Deus e ao próximo. Sendo que Deus deve ser amado acima de todas as coisas, e depois o próximo como a nós mesmos.

- Falemos um pouco daqueles que colocam a sua esperança e vida nos bens materiais.

- O trecho vai do versículo 13 ao 21 (farei algumas inserções ao texto bíblico, colocando os meus comentários em parênteses ou colchetes, assim como o comentário do grande teólogo Puritano Mathew Henry):

“E disse-lhe um da multidão: Mestre, dize a meu irmão que reparta comigo a herança.
Mas ele lhe disse: Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós?
E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza [falta de generosidade, apego sórdido, baixo, repugnante ao dinheiro]; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância;
E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos.
E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens;
E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga.
Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus."

[Comentário de Mathew Henry: “O maior erro de todos é que ele não se preocupa em ser rico para com Deus, rico de acordo com o critério de Deus. O fato de Deus nos considerar ricos nos torna ricos (Ap 2.9), ricos nas coisas de Deus, ricos na fé (Tg 2.5), ricos em boas obras, ricos nos frutos de justiça (1 Tm 6.18), ricos nas graças, nas consolações, e nos dons espirituais. Muitos que têm abundância deste mundo são completamente destituídos daquilo que irá enriquecer as suas almas, que os farão ricos para com Deus, ricos para a eternidade.”] 
 
- Se o seu coração está nos tesouros terrenos, você é um tolo, apegando-se a algo volátil, temporário, e que nem mesmo pode lhe trazer a segurança que você almeja.

- Os tesouros são ídolos, nos quais o homem deposita a sua fé, e em uma esperança vã (vazia, inútil, falsa).

- A prova é que fortunas são perdidas em segundos, bastando um revés na economia, nos negócios, um furto, para tudo escoar ralo abaixo.

- Se um avarento morre, de que lhe restam os bens?

- Nos apegamos à ilusão, ao delírio de que, acumulando coisas, estaremos seguros. Guardadas as devidas proporções, seria a mesma segurança que uma pessoa tem em itens de proteção: alarmes, armas, muros, cercas, etc. Se usadas de forma correta, podem colaborar, mas se pensadas como invioláveis e inexpugnáveis, quem assim crê já se tornou vulnerável, e estaria mais seguro se não dependesse delas.

- Nessa visão, qualquer que põe a sua confiança em um ídolo, seja o dinheiro, outrem, ou a si mesmo, e não em Deus, está fadado ao fracasso, e, mais do que isso, à condenação.

- Em contrapartida à esta visão humana do que vem a ser segurança, o Senhor nos alerta a confiar, esperar, e servir a Deus. Senão, vejamos em Lucas 12.29-32:
“Não pergunteis, pois, que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos".

[Pausa para reflexão: Deus disse a Adão, no Éden, que viveria do suor do seu rosto, ou seja, do seu trabalho. E todos devemos trabalhar. Paulo diz que aquele que não trabalhar, não coma.

- Devemos também ser modestos e cuidadosos nos gastos, em como investimos o nosso dinheiro. Não indo além do que podemos ir.

- Mas não devemos nos inquietar e afligir com a nossa subsistência, já que Deus é aquele que cuida de nós (As inquietações veem para enfraquecer a nossa fé, tirando-nos o foco de Deus e colocando-o em nós mesmos. Elas nunca constroem nada, pelo contrário, destroem qualquer capacidade de termos respostas adequadas).

- E se confiamos nele, e depositamos nele a nossa esperança e certeza, ele não nos abandonará, nem nada nos faltará.

- É o que Davi, mesmo com todos os dissabores, perseguições e injustiças promovidas por seus inimigos, afirmou, no Salmo 23:

“O Senhor é o meu pastor (e como ovelha reconheceu), e nada me faltará!”]

(Continuando...)


"Porque as nações do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que precisais delas.
Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."


[PAUSA: E a resposta para as nossas aflições, ou não, são respondidas pelo Senhor, neste ponto: “Buscai antes o reino de Deus”

E o que vem a ser isto?

Batemos no peito, e dizemos que aqui não é o nosso mundo. Afirmamos ser peregrinos neste mundo. Mas a verdade é que nos apegamos, muitas vezes desesperadamente, nas coisas deste mundo, agindo quase como incrédulos, como se não houvesse amanhã.

Muitos se entregam à embriaguez, ao sexo pecaminoso, ao vício de drogas, à cobiça, ao amor próprio, ao poder, à glória pessoal, destruindo-se, e quase sempre ao seu semelhante.

Por que? Pela vaidade e orgulho do coração. Pelo mal como ação necessária, quando este mesmo mal é a causa da condenação, por causa do coração duro e impenitente.

Em oposição a essa visão deturpada e caída da vida, temos o Senhor a dizer: 

“Buscai antes o reino de Deus”.
 

Buscar o Reino é, antes de tudo, buscar aquele que reina!

Buscar o Reino é, antes de tudo, servir àquele que reina!

Buscar o Reino é, antes de tudo, satisfazer-se naquele que reina!

Buscar o Reino é, antes de tudo, viver para a glória do rei!

E quem é esse rei? Nenhum outro além de Cristo!]

"Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino".

[PAUSA: A ele glória, honra, louvor e sujeição!

Se o buscarmos e ao seu reino, o qual promete nos dar, teremos a paz que somente ele pode dar, mesmo nos momentos de maior angústia e tribulação]. 


 CONCLUSÃO:

- Aproximando-se o Natal e o Ano-Novo, você já fez uma reflexão sincera, sem camuflagem, sem esconder-se de si mesmo (pois diante de Deus ninguém pode se esconder), e avaliou se, realmente, o que está a buscar?

- Se a sua satisfação e gozo pessoal?

- Se está entregue aos seus desejos pecaminosos?

- Se despreza a Deus no íntimo, mesmo que a sua boca tente convencê-lo do contrário?

- Se diz amar ao Senhor, mas seus atos não têm nada de compaixão, misericórdia e perdão?

- Se insiste e persiste em iludir de que é um bom cristão, quando a prática nega a sua fé?

- Mas se, antes, você busca honrar a Cristo com a sua vida, bens e obras que revelem os frutos do Espírito, você busca o Reino, e nada lhe faltará.

- O Deus providente, misericordioso, amoroso e gracioso, não deixará a sua fé ser posta em palhas e gravetos secos.

- Antes você estará firmado na Rocha, Cristo, e beberá, e comerá, e se saciará do pão e da água da vida.

- Que cada um de nós não pense de si mesmo mais do que convém, como disse Paulo, mas coloque-se a si mesmo em seu devido lugar: servindo a Deus incondicionalmente, ou aos ídolos apenas o empurrão para mais distante de Deus. 


NOTA: 1- Este esboço foi a tentativa de montar um novo esquema de sermão, o qual espero ter sido melhor desenvolvido na pregação do que propriamente nestas linhas.
2-  Sermão ministrado no Tabernáculo Batista Bíblico

Nenhum comentário:

Postar um comentário